Importância do Iogurte

O iogurte era apenas conhecido por ter efeito poderosíssimo na regulação da flora intestinal, porém o que as pesquisas mais recentes nos mostram é que há muitas outras vantagens em se consumir todos os dias o alimento. Ele é ótima fonte de proteínas, minerais e vitaminas, têm baixo teor calórico, menos lactose que o leite comum e o melhor: é saboroso! Combina com diversas preparações, é prático e fácil de ser incluído na alimentação diária. Conheça as outras vantagens e acrescente o laticínio na sua dieta.

Bactérias essenciais e benéficas

Um iogurte resulta “da fermentação da lactose existente no leite, transformando-a em ácido láctico que, por sua vez, atua sobre as proteínas do leite, modificando a sua consistência, solidificando-o, na forma que todos nós conhecemos”, diz o Dr. Nuno Nunes, da Direção da Associação Portuguesa de Nutricionistas (APN). No seu processo de fabricação, intervêm “estirpes selecionadas de bactérias (geralmente, a lactobacillus bulgaricus e a steptococcus termophilus)”.

Estas bactérias vão aproveitar a lactose existente no leite, fermentando-a em ambiente selecionado (estufa ou em cubas) e transformando-a em ácido láctico, que por sua vez, coagula as proteínas do leite, transformando-o em iogurte. “Como o produto final tem que conter bactérias vivas e em quantidade abundante, estas bactérias vão trazer benefícios a quem consome o iogurte, nomeadamente: contribuem para a manutenção e equilíbrio da flora intestinal, facilitam a digestão, tornam o produto final mais digerível, ajudam na recuperação de diarreias, contribuem para a prevenção da obstipação e outros transtornos gastrointestinais”, explica Vanessa Candeias.

Torna-se fácil perceber que os iogurtes podem ajudar a tratar inúmeras patologias. “De fato, são uma preciosa ajuda para controlar e melhorar algumas doenças”, fundamenta Nuno Nunes.

Os vários tipos de iogurtes

Os iogurtes classificam-se em função da sua composição, da sua consistência e do conteúdo em matéria gorda. “O iogurte pode ser natural açucarado, aromatizado, com fruta e outros ingredientes”, no que respeita à sua composição. “Quanto à consistência, os iogurtes podem ser sólidos, batidos e líquidos”, indica Vanessa Candeias. Relativamente ao teor em matéria gorda, os iogurtes classificam-se como: gordo (mínimo de 3,0% de matéria gorda); meio gordo (entre 0,5 e 3,0% de matéria gorda) e magro (máximo 0,5% de matéria gorda).

Em caso de dúvidas no que diz respeito ao teor de gordura dos iogurtes, saiba que “nem todos os iogurtes magros são iguais, dado que uns não contêm açúcar, sendo este substituído por edulcorantes artificiais como o aspartame”. Estes são mais indicados para diabéticos ou para as pessoas que querem ingerir menos calorias. Destacam-se ainda os iogurtes que têm menos gordura, “sendo igualmente ricos em açúcares e fornecendo mais calorias do que os referidos antes”, explica o nutricionista Nuno Nunes.

“É importante ainda acrescentar que, na produção dos iogurtes magros, pode-se eventualmente recorrer à adição de carboidratos (frutose, glicose e outros) como fonte de sabor e/ou textura, o que implica que, por vezes, estes iogurtes tenham uma quantidade de hidratos de carbono superior à dos iogurtes gordos ou meio gordos”, fundamenta Vanessa Candeias.

Os iogurtes mais saudáveis são os naturais, não açucarados. O consumidor deve procurar escolher o produto que mais se adequa às suas necessidades. Por exemplo, “se tem excesso de peso, os iogurtes magros são mais indicados; ou se tem diabetes deve procurar iogurtes com o menor teor de açúcar possível e evitar os iogurtes com compotas de fruta, chocolate, mel, etc.”, afirma Vanessa Candeias. Apesar de não existirem iogurtes especificamente aconselhados para grávidas, sabe-se que, também os naturais e não açucarados, são os mais apropriados. “A leitura do rótulo facilmente permite perceber quais os iogurtes com menor quantidade de calorias, gordura e/ou açúcar”, aconselha a nutricionista.

Principais benefícios do iogurte

  1. Iogurte emagrece, como é pobre em calorias (69 kcal em 100 g, na versão natural e integral), ele funciona muito bem para tapear a fome entre as refeições, substituindo bolachas e pães. Há diversos estudos relacionando o consumo de cálcio, nutriente do qual o iogurte é uma das mais importantes fontes, à perda de peso. Pesquisas atestam que altos valores de índice de massa corporal (IMC), que classifica o peso corporal, são cada vez menos frequentes à medida que a ingestão de cálcio está mais próxima dos patamares recomendados. O que acontece é que seu consumo adequado ajuda no controle de peso em adultos quanto em crianças.
  2. No iogurte, a lactose (açúcar característico do leite) já foi fermentada pelas bactérias e, por isso, indivíduos com intolerância à lactose podem consumir iogurtes sem que este lhes cause desconforto ou transtornos gastrointestinais. Assim, surge como uma boa alternativa a quem não gosta ou não tolera leite;
  3. Oferece mais cálcio que o próprio leite, você já sabe que o mineral ajuda a fortalecer ossos e dentes. Mas essa não é a única função do cálcio. Ele é responsável pela comunicação entre as células nervosas, participa
    do processo de coagulação sanguínea, ajuda na cicatrização de feridas e é essencial à contração muscular. Equilibra a pressão arterial e contribui para a dilatação dos vasos: o coração fica protegido. O cálcio é mais abundante do que em muitos outros laticínios. Em 200 g de iogurte natural há 345 mg de cálcio; um copo de leite (250 ml) contém cerca de 307,5 mg do mineral. Uma fatia de 30g de queijo branco tem 205,5 mg de cálcio.
  4. A sua composição nutricional é muito semelhante à do leite, e contém: moderada densidade energética (reduzida ou moderada quantidade de calorias fornecida por 100g de alimento), proteínas de elevado valor biológico, vitaminas (especialmente, riboflavina e vitamina B12), minerais e gordura de composição semelhante à do leite em quantidade variada;
  5. A flora bacteriana abundante e ativa existente no iogurte confere-lhe outros benefícios, incluindo: melhoria de digestão, estimulação da flora intestinal, reforço da resistência natural a doenças infecciosas do trato gastrointestinal, e regulação do trânsito intestinal;
  6. O iogurte natural não açucarado é uma base ideal para temperos de saladas. Misturando pimenta, algumas ervas aromáticas (salsa, cominhos, orégano, entre outras) ou alho picado no iogurte, este pode ser utilizado em substituição de maionese ou outros molhos ricos em gorduras;
  7. O iogurte natural não açucarado magro pode também substituir as natas em algumas preparações culinárias, conferindo textura e sabor às mesmas, mas com menor quantidade de calorias e gordura;
  8. O iogurte natural, aromatizado ou com frutas pode também ser utilizado em sobremesas (bolos, tartes, mousses, misturado com gelatinas, etc.), conferindo-lhes um valor nutricional mais vantajoso;
  9. Os iogurtes probióticos estimulam a atividade da flora intestinal potenciando, deste modo, o papel que está desempenha na manutenção da integridade da parede e atividade intestinal, na prevenção de disfunções imunológicas, na regulação do trânsito intestinal e na prevenção de infecções gastrointestinais.

Fonte: www.milkpoint.com.br

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.